julho, 2011

31

jul

Personagem: Francelino de Souza Piauí – Morte – 31 de Julho de 1981

Francelino de Souza Piaui - foto - morte - 31-07-1981 1-

 

Francelino de Souza Piaui - foto - morte - 31-07-1981 2-

 

Francelino de Souza Piaui - foto - morte - 31-07-1981 3-

 

Francelino de Souza Piaui - foto - morte - 31-07-1981 4-

30

jul

Memória Escrita: Campinas pode Escola Industrial em 1964 – Matéria Publicada em 29 de Setembro de 1963

Minha vida está intimamente ligada a esta escola, pois vejamos:

G I Bento Quirino - OESP - 29-09-1963 1-

G I Bento Quirino - OESP - 29-09-1963 2-

G I Bento Quirino - OESP - 29-09-1963 3-

G I Bento Quirino - OESP - 29-09-1963 4-

G I Bento Quirino - OESP - 29-09-1963 5-

Instituto Profissional Bento Quirino - foto e bio

 G I Bento Quirino - Lei 15040 - 19-09-1945

Mais detalhes da lei acima ou outras; podem ser vistas nos endereços eletrônicos abaixo.

http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto%20lei/1945/decreto-lei%20n.15.040,%20de%2019.09.1945.htm

http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/1949/lei%20n.490,%20de%2020.10.1949.htm

“…

Por que o Ginásio Bento Quirino liberou o espaço para a Unicamp

 A mudança do Ginásio Industrial Bento Quirino para outro lugar (no bairro Vila Estanislau), liberando espaço para a Unicamp, relaciona-se com certa conjuntura econômica e social na época. Como o prédio do Cotuca foi o primeiro a ser ocupado pelo Instituto de Física, vale a pena analisá-la. As principais fontes são a dissertação de mestrado de Lúcia Pedroso da Cruz, de 2008, e os arquivos do SIARQ.

A instalação de um colégio técnico na Vila Estanislau era uma reivindicação das indústrias da região, da Câmara Municipal e dos representantes das entidades de classe da cidade. Associações de engenheiros industriais de São Paulo também se mobilizaram. Tratava-se do reflexo em Campinas de um processo econômico mais amplo, o aumento na industrialização do país que vinha desde os anos 1930, no primeiro governo de Getúlio Vargas (1930-1945), e que teria um salto durante o governo de Juscelino Kubitschek (1955-1961). No período JK, três regiões do Estado de São Paulo se envolveram mais intensamente nessa conjuntura: a capital, Santos (com seus pólos petroquímico e siderúrgico) e Campinas. Nesta, o aumento da população e os desenvolvimentos industrial, nas redes de esgotos e em indicadores sociais como alfabetização e mortalidade infantil a colocavam em posição vantajosa como alternativa à Grande São Paulo.

No entanto, com o desenvolvimento da indústria e dos processos tecnológicos, o ensino industrial nacional tornou-se obsoleto e afastado da realidade, necessitando de profundas alterações em sua estrutura. Os setores industriais sentiam a ameaça da escassez de técnicos industriais de grau médio do segundo ciclo.

Diante disso, foi desenvolvido um amplo programa de instalação de colégios técnicos no Estado. Os promotores desse esforço foram o poder público federal e estadual, coadjuvados por associações de engenheiros industriais de São Paulo. Para se ter uma ideia da força da orientação em prol dos cursos técnicos, o MEC chegou a defender que todos os tipos de cursos ginasiais da época (tradicional, vocacional, industrial, agrícola e comercial) fossem transformados em um único tipo, o Ginásio Orientado para o Trabalho.

A transferência do colégio para o Estado

Nesse contexto, em 24 de julho de 1951, a Escola Industrial Bento Quirino – que até então mantinha cursos básicos e industriais – foi transformada em escola técnica, que constituiria o primeiro ciclo da Escola Técnica Bento Quirino, criada pela mesma lei.

Para que essa transformação pudesse acontecer, o governo estadual propôs que a escola expandisse seu espaço físico com a construção de novos pavilhões. Porém, durante os anos 1950, o prédio começou a apresentar crescentes problemas físicos e problemas financeiros. A Associação Instituto Profissional Bento Quirino acabou doando o imóvel ao Estado, em 1958.

Para essa transferência para o Estado, pode ter contribuído o enfraquecimento do ideal dos membros originais da Associação. Nas primeiras décadas de existência do colégio, os cargos na Diretoria eram alternados dentro do mesmo grupo de pessoas. Os sócios eram membros da elite local e aguns deles eram descendentes diretos dos fundadores do Instituto. Lúcia Pedroso da Cruz (2008) vislumbra a possibilidade de o interesse dos membros pela escola, baseada inicialmente em laços de amizade profunda que unia os primeiros sócios, ir ficando gradativamente mais tênue com o passar do tempo.

O Bento Quirino deixa o Centro

Diante da má conservação do prédio, o Estado propôs que ele fosse transferido para a Vila Estanislau, na Av. Orosimbo Maia, quase esquina com José de Souza Campos. A construção do novo prédio começou em 1962. Inicialmente, a Diretoria do colégio era contra a sua transferência para outro local e também contra a transformação do seu curso ginasial num curso técnico. No entanto, rapidamente mudou de opinião. Se em setembro de 1966 o diretor substituto Álvaro França de Barros se opunha às mudanças na carta ao deputado Almeida Barbosa, em janeiro do ano seguinte ele assinava embaixo de opinião inteiramente oposta. O que aconteceu nesse meio-tempo foi o agravamento das condições físicas do colégio – eram frequentes quedas de pedaços de argamassa das paredes, as trincas aumentavam constantemente e havia forte infiltração de águas de chuva, e tudo isso pareceu imune a uma pequena reforma financiada pelo governo em 1965 – e a adesão à transformação de seus cursos ginasiais em técnicos, que demandam espaço maior do que o permitido pelo prédio da Culto à Ciência.

Nesse ínterim, entrou em cena Zeferino Vaz. Se o prédio do Bento Quirino seria desocupado, era uma oportunidade para ele colocar ali as primeiras instalações da nova Universidade de Campinas. Foi proposto que a própria universidade bancasse as reformas que o governo estadual não havia conseguido fazer durante o ano e meio anterior.

No dia 10 de janeiro, o reitor visitou o colégio junto com o presidente do Conselho Estadual de Educação, Arnaldo Laurindo, e em seguida enviou uma carta à Secretaria de Negócios de Educação pedindo a imediata transferência dos cursos do Bento Quirino para o novo prédio e a entrega do edifício na rua Culto à Ciência aos cuidados da Universidade de Campinas. Demoraram apenas duas semanas para que tudo fosse feito. O convênio entre a universidade e a Secretaria foi assinado no dia 27.

O que Zeferino Vaz colocaria no novo espaço? Primeiro, a Administração da nova universidade. No entanto, o termo de doação do prédio da Associação Instituto Profissional Bento Quirino para a Fazenda do Estado de São Paulo, aquele de 1958, requeria que ele fosse usado para uma escola profissional. Entre as unidades que o governo havia autorizado a universidade a instalar, na lei de criação da UEC de dezembro de 1962, estava um colégio técnico industrial. Zeferino, então, instalou-o lá.”…

E assim foi feito como diz a história; lembrando ainda que instalação oficial aconteceu em janeiro de 1967 com o início das aulas. Que por sinal eu estava presente.

O belo material está mais detalhado no site abaixo.

http://portal.ifi.unicamp.br/br/historia-do-ifgw?start=4

Para saber sobre a escola industrial atualmente; acesse:

http://www.etecbentoquirino.com.br/historia.html

29

jul

Memória Fotográfica: Rua Francisco Glicério x Rua 13 de Maio

Baseado na primeira foto com texto de José de Castro Mendes; fiz um “passeio” pelo meu arquivo de fotos (ao som de um belo “Blues Slow Harmonica” – desculpem mas não resisti a colocação do texto) para fazer um breve histórico do citado prédio e seu “descendente”.

Praca Jose Bonifacio (Largo da Catedral) - 1910

A foto acima é de 1910 e o texto de 1968. Veja abaixo e foto de 1880 que ainda o prédio não existia.

Praca Jose Bonifacio (Largo da Catedral) - 1880

Praca Jose Bonifacio (Largo da Catedral) - 1898

Na foto acima de 1898 o mesmo já aparece imponente. Na foto abaixo de 1916 aparece uma pequena ponta de sua figura.

Praca Jose Bonifacio (Largo da Catedral) - 1916 2

Praca Jose Bonifacio (Largo da Catedral) - 1939

Em foto acima (belíssima por sinal) de 1939 ainda aparece o prédio e já a foto de 1953 aparece o prédio atual e que permanece até em nossos tempos.

Catedral Rua Francisco Glicerio x Rua 13 de Maio - 1953

28

jul

História Agradece: Internet Como Meio de Comunicação (Antônio Frau x Sebastião Tavares)

Realmente devemos festejar a Internet como um meio que fez aproximar as pessoas, ou ao menos interligá-las. Dias atrás fiz uma publicação onde após 56 anos tive a oportunidade de rever, ao menos “digitalmente”; uma pessoa que compartilhou comigo o mesmo berçário na maternidade onde nascemos.
 
Através da mesma Internet recebi à tempos atrás uma comunicação do Sr. Guilherme Andreolli Corrêa; onde este mencionava que vendo a foto publicada no blog (onde constava o Sr. Antônio Frau) lembrou-se do foto deste sr. ser seu “parente distante” – primo de seu avô. Assim ele me escreveu passando alguns dados inclusive uma foto atual do Sr. Antônio Frau.
 
Como o Sr. Antônio Frau faz aniversário neste 28 de julho (nasceu em 28 de julho de 1928) faço aqui uma homenagem e um “reencontro digital” do Sr. Antônio com o Sr. Sebastião Tavares (meu sogro).
 
Veja abaixo a montagem que fiz de fotos do passado e fotos recentes. 

Antonio Frau e Sebastiao Tavares

27

jul

Personagem: Chico Xavier РCidaḍo Campineiro em 27 de Julho de 1974

A exatos 34 anos este expoente do espiritismo brasileiro recebia o título em questão. Em reportagens resgatadas da época; faço aqui a publicação.
 
Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 1-

Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 2-
 
Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 3-
 
Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 4-
 
Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 5-
 
Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 6-
 
Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 7-
 
Material abaixo foi sacado do livreto de autoria de M. B. Tamassia e participação de Jolumá Brito.

 

Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 8-

Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 9-

Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 10-

Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 11-

 Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 12-

 

Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 13-
Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 14

Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 15

Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 16-

Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 17-

Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 18-

Chico Xavier - Cidadao Campineiro - 27-07-1974 19-