outubro, 2007

30

out

Memória Fotográfica: Mercado Municipal – década de 1900

Postal da Casa Genoud na década de 1900, logo após a inauguração do mercado municipal.

29

out

Personagem: Lélio Coluccini, o Escultor

Se você andar por Campinas; com certeza irá se defrontar com alguma escultura deste escultor. Neste espaço de Internet você encontrará muitos trabalhos deste personagem; que deixou sua marca nesta cidade.

Nasceu em três de dezembro de 1910, na região da Toscana, na Itália.

Veio para o Brasil quando tinha dois anos de idade. A princípio, a família de artesãos do mármore se estabeleceu na cidade de São Paulo, mas logo mudaram-se para Campinas onde fundaram a Marmoraria Irmãos Coluccini.Aos sete anos, Lélio já gostava de brincar de fazer esculturas e aos nove realizou sua primeira escultura em argila: uma cabeça de Cristo.Voltou para a Itália, em 1924, para aprimorar seus estudos em Artes Plásticas.

Retornou ao Brasil em 1931 e montou um ateliê na sede da Marmoraria Irmãos Coluccini. Logo depois, já com três significantes trabalhos, realizou uma mostra na Casa Genoud, em Campinas.Mudou-se para São Paulo, em 1937, e casou-se com Luísa Ippoliti, mãe de sua filha Maria Helena. Dez anos depois, já separado, retornou a Campinas.

Em 1954, casou-se com Conceição Freire com quem teve o filho Alfredo Lélio.
Acima Lélio Coluccini ao lado de duas de suas obras (monumento ao presidente dos Estados Unidos, John Kennedy, situado na parte final da av. Barão de Itapura e logo abaixo outra obra, esta uma tumular no Cemitério da Saudade, em Campinas).

28

out

Monumento: Centenário da Santa Casa de Misericórdia

Marco de granito picotado cor cinza, representado por uma chama em bronze, obra executada pelo escultor Lélio Coluccini. Situa-se nos jardins da Santa Casa de Misericórdia e foi inaugurado em 15 de Agosto de 1971.

26

out

Curiosidades: Pra̤a 9 de Julho РChafariz Preservado

Um belo exemplo de preservação do patrimônio histórico.

A 15 de julho de 2002 fez-se a inauguração da recuperação da Praça 9 de Julho e chafariz centenário em frente à Estação Cultura, numa parceria Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) e Associação Comercial e Industrial de Campinas (ACIC). A Praça 9 de Julho fica localizada entre as ruas Saldanha Marinho e Ferreira Penteado.

Rememorando; Campinas passava por um momento difícil de sua história: a epidemia de febre amarela. Neste contexto, o Chafariz da Praça 9 de Julho foi muito bem recebido pela população, que estava ansiosa por ações contra a doença.

O Chafariz foi construído em 1889, durante a primeira epidemia de febre amarela em Campinas. O objetivo era proporcionar um abastecimento de água confiável para a população campineira. Na época, imaginava-se que a doença era transmitida pela água.

A Companhia Paulista de Estradas de Ferro trazia, por meio de vagões-tanque, a água de uma fonte situada entre a estação da Rocinha e Vinhedo. A água era colocada em um reservatório, para depois ser levada para o abastecimento do chafariz.

Os chafarizes, nascentes e bicas marcaram a vida urbana da cidade de Campinas entre o fim do século XIX até a primeira metade do século XX. A Praça 9 de Julho foi construída em 1892, quando levava o nome de 23 de novembro – data da posse do segundo presidente da República, Floriano Peixoto. Em homenagem à Revolução Constitucionalista de 1932, a praça mudou o nome para Nove de Julho.

A foto abaixo é da década de 1940.

As fotos abaixo são de 03 de novembro de 2007.

25

out

Curiosidades: Torre do Castelo Рponto geod̩sico

Veja o marco abaixo e ao fundo da foto parte da torre do Castelo.